PALAVRA DA ILUSTRADORA

Páginas de um livro bom é meu primeiro trabalho como ilustradora e designer, e como tal, rendeu muitas surpresas, desafios e revelações.

Do primeiro encontro com Pepê até a finalização do livro, foram quase dois anos de trabalho. Nesse ínterim nos comunicávamos apenas por e-mails e poucas vezes por telefone.

Acotovelando-se entre trabalhos de faculdade, estágio e outras atividades, Páginas de um livro bom foi ganhando forma, tomando espaço e conta da minha vida.

Entre os milhões de e-mails trocados e ideias discutidas, ainda restavam as dúvidas, a expectativa e o anseio por fazer um trabalho bacana, que agradasse a mim e ao Pepê, que reunisse o que nós dois queríamos, um trabalho íntimo, visualmente bonito e agradável. 

Não foram poucos os momentos de angústia e estresse, de frustração e alegria; afinal, desenhar é fácil, mas quando se tem que interpretar textos através de desenhos, hum... a coisa muda. Ficavam as perguntas: "Será que ele vai gostar?", "É isso que ele quer?""E o leitor, vai curtir?"

O mais interessante foi me dedicar a cada texto e elaborar sua respectiva arte. A partir da leitura, inventava histórias na minha cabeça, rascunhava opções de arte, enviava a ideia por e-mail para o Pepê e depois conversávamos sobre o que ele havia achado. Era engraçado ver como cada um surgia com um ponto diferente e a troca era sempre muito bacana. Gostava de saber também o que ele havia imaginado como ilustração para seus textos e tentava juntar os pontos de forma a deixar cada página o mais pessoal possível para nós.

Milhares de dúvidas e questionamentos me assaltavam, mas a cada aprovação... "Eba! Ele gostou! Que delícia...", e partíamos para o próximo.

Saindo do forno: um dos cadernos de 16 páginas na mesa da gráfica
Trabalhar com Pepê foi uma experiência repleta de sentimentos e aprendizado, principalmente porque não nos víamos e tentávamos nos entender apenas interpretando, nem sempre da maneira exata, o que o outro escrevia. O mais interessante é que de cada nova mensagem nascia uma nova interpretação sobre determinado texto, e com isso uma nova ideia de arte também surgia.

Pepê e eu somos ambos determinados, exigentes e perfeccionistas, e queríamos dar o nosso melhor, principalmente por ser nosso primeiro trabalho. Exigimos muito um do outro durante todo o projeto.
.
Nosso segundo encontro oficial foi na gráfica J. Sholna e talvez tenha sido esse o momento mais chocante, mais assustador e prazeroso de todo o projeto. Penso que seja a mesma expectativa de pais que esperam a chegada do primeiro filho: ver sua carinha, ver se todos os “dedinhos” estão perfeitos... Era isso que esperávamos, que nosso livro fosse “perfeito” na medida do que queríamos, que pudéssemos segurá-lo ainda quentinho e dizer: “É o nosso livro e ele é a nossa cara”. Acho que o resultado não poderia ter sido melhor: Páginas de um livro bom ficou do nosso jeitinho. Ele é o resultado final da parceria de um escritor e uma ilustradora que queriam apenas proporcionar prazer visual e intelectual aos seus leitores, amigos e familiares.

Espero que gostem tanto quanto gostamos.

Julia Lourenço Moraes