João e Juliana sentaram-se frente a frente naquela tarde e cerraram os lábios: quem risse primeiro, perderia. Jogar o siso pode ser um simples passatempo infantil, mas também a brecha de que o amor precisa para se manifestar, dedilhando o coração destes pequenos desavisados, provocando-lhes cosquinhas insuportáveis até os lábios cederem à gargalhada. Daí em diante, nada será como antes.
.
.