Para que superpoderes se me sinto invencível toda vez que me sorri? Estou pronto para tudo, até para a morte. E mesmo que morra, morrerei feliz, levando comigo, para sempre, aquele frame, o instante em que a mente pausou o filme da vida e a imagem colou na retina. Lá estão seus lábios, concavando meu túmulo, convidando-me a deitar o corpo e os sonhos, onde terei paz daqui à eternidade. Neles habita a moça serenidade, aquela que vivo para alcançar. Por isso, não os use para dizer palavra, mas desenhe-as todas num único gesto cor-de-rosa.
.
.