O escritor é, acima de tudo, um voyeur. Da janela do sexto andar, ele observa a noite carioca e seus personagens múltiplos (oportunos!), cruzando ruas e calçadas sob o bumbar da lua cheia, como passistas do cotidiano, de um Carnaval improvisado e mágico. Ele ouve samba onde todos ouvem o caos. E se inspira. Ideias vêm e vão como as ondas na praia. Evoluam, evoluam!, ele roga. Porque a fantasia brota da realidade, porque a realidade precisa da fantasia.
.