.
Numa biblioteca, ele corre os olhos sobre as lombadas que jazem na prateleira infinita. Do outro lado, ela faz o mesmo. Neste labirinto murado por romances de outrora, há frestas, pelas quais olhares se desencontram a todo instante. E para o bem da literatura, o contrário também acontece.