.
.
Quando a primavera apresentou Eduarda a Guilherme, o jovem pintor descobriu que nunca mais lhe faltaria inspiração. E o namoro, que não tardou, teria durado a eternidade, não fosse aquele terrível instante em que o artista sucumbiu ao mal que o torturava calado, e contra o qual ele tanto lutara, fazendo do pincel, espada. O episódio mudou os rumos da história e abalou a relação entre Eduarda e sua família. Acontece que quando os homens erram no juízo, o tempo, curativo dos curativos, dá a eles um jeito de remendar. Nossa heroína, anos depois, terá a chance.
.
.
.
.
.
Para entender o machismo é preciso voltar aos primórdios da humanidade e ir ter com Adão, Eva e uma colmeia em polvorosa – porque não só de cobras era feita a fauna do Paraíso. Certa manhã, cansados de se submeterem aos desmandos da abelha rainha e seu exército de operárias, os zangões do Éden decidiram tocar o rebu, dando início à primeira revolução sexual de que não se tem registro. À hora errada e no lugar errado, sobrou para o primogênito, coitado, a ferroada original.